Vídeos relacionados

Loading...

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Lombalgia


          A lombalgia, Dor lombar, lumbago ou dor nas costas é a dor que pode ser aguda ou crônica, na região lombar inferior e afeta a maioria das pessoas em algum estágio da vida. Uma lombalgia aguda pode ser causada por evento traumático, como acidente de carro ou queda. Ela aparece subitamente e a pessoa geralmente é capaz de identificar o que aconteceu. Nos casos de lombalgia aguda as estruturas danificadas geralmente são os tecidos moles como músculos, ligamentos e tendões. No caso de acidente grave, fraturas vertebrais na espinha lombar podem ocorrer. Lombalgia crônica ocorre por um longo período de tempo e tem como causas mais comum: osteoartrite, artrite reumatóide, tumores (incluindo câncer), degeneração dos discos entre a vértebra ou hérnia no disco lombar, más posturas.



Lombalgia não é  uma doença e sim um sintoma.


Causas
As causas que estão na origem da lombalgia são variadas:
   -excesso de peso corporal/obesidade;
   -adoção de posturas incorretas quando se está sentado ou de pé durante longos
           períodos de tempo;
    -levantamento de peso excessivo e/ou por um período de tempo prolongado,
            principalmente se realizado de uma forma inadequada;
    -infecções virais/ síndromes gripais;
    -menstruação ou síndrome pré-menstrual;
    -hérnias discais na região lombar;
    -doenças articulares degenerativas e/ou inflamatórias de diversos tipos;
    -traumatismos da região lombar, com ou sem fratura;
    -fratura dos ossos da coluna lombar por doenças que fragilizam os ossos
           (por exemplo, osteoporose);
    -cólica renal;
    -infecção renal;
    -algumas doenças (benignas ou malignas) que afetam o útero e o ovário;
    -Processos degenerativos discais e articulares;
    -más-formações congênitas,
    - hérnias discais;
    -escorregamentos vertebrais (Listeses);
    -estenose de canal vertebral, muitas vezes pré-existentes, já de longa data,
           em determinado momento, em virtude de esforços inadequados;
    -vícios posturais;
    -quedas.
          Todos esses mecanismos, processos, causas, descrito anteriormente passam a desencadear sintomatologia dolorosa.
           Quando pensamos em um indivíduo com queixa de Lombalgia, devemos ter em mente que esta sintomatologia pode ser originária de problemas próprios da coluna, de vícios posturais ou, ainda, decorrente de alterações em outros órgãos.
          Doenças intra-abdominais tais como apendicite, aneurismas, doenças renais, infecções da bexiga, infecções pélvicas, distúrbios ovarianos, tumores, processos vesiculares entre outras, podem causar dor referida na região lombar.
          Sem dúvida, de todas as causas de lombalgia na população economicamente ativa, os vícios posturais respondem pela grande maioria das queixas lombares em prontos socorros.

Diagnóstico da lombalgia
         Geralmente é complexo obter um diagnóstico das causas por trás da lombalgia e seus sintomas relacionados, como ciática. Um diagnóstico completo geralmente é feito através da combinação do histórico médico do paciente, exame físico e, quando necessário, testes diagnósticos como raios-X e ressonância magnética.
          Toda vez que estivermos diante de uma queixa de lombalgia, secundária a alguma doença de base, a história clínica e um exame clínico minucioso podem determinar o grau de incapacidade gerado por esta doença.
          Hiper contratura para vertebral, desvios antálgicos, dificuldade de flexão e lateralização, marcha antálgica, alterações de reflexos, são achados freqüentes observados nos exames clínicos de pacientes com sintomatologia verdadeira, como os portadores de hérnia discal aguda.
Existem várias doenças que podem estar na origem de uma lombalgia, pelo que é importante conhecer as características da dor e os sintomas associados, bem como fazer um exame físico completo. Também se podem realizar vários exames com o objetivo de avaliar melhor todas as estruturas anatômicas da região lombar, tais como Raios-X, Tomografia, Ressonância.


Sintomas
         A lombalgia é por si mesma um sintoma. Consiste numa dor localizada na região lombar da coluna vertebral. Esta dor tem várias causas. Se a causa for o excesso de peso corporal, a dor pode persistir enquanto esse excesso persistir.
Se a causa for uma má postura, um exercício de levantamento de peso excessivo ou inadequado ou por um período de tempo prolongado, a dor pode surgir imediatamente ou após algumas horas.
          Dependendo das estruturas anatômicas lesadas (ossos, músculos, articulações ou nervos), a dor pode irradiar para as nádegas e/ou coxas. A lombalgia pode ser mais intensa nos dois ou três primeiros dias, diminuindo de intensidade nos dias ou semanas seguinte, ou persistir com a mesma intensidade durante longo período de tempo.
Freqüentemente as causas da lombalgia dão origem a um espasmo muscular, que acarreta o aparecimento de dor, que por sua vez produz maior espasmo muscular. Torna-se então necessário interromper este ciclo vicioso com algumas intervenções terapêuticas.

Tratamento
          Para alívio da dor, o médico pode prescrever medicamentos analgésicos (por exemplo, ácido acetilsalicílico, acetaminofeno, ibuprofeno) e medicamentos relaxantes musculares, que eliminam a dor, mas não aceleram a cura da causa desencadeante. Por vezes é necessária a hospitalização e a cirurgia para se tratarem algumas causas de lombalgia. Durante o período de recuperação, não devem ser realizadas atividades que possam atrasar o processo de cura ou fazer reaparecer o problema.
          Para dor persistente, o reumatologista é o indicado, pela sua visão geral do paciente, na busca do diagnóstico definitivo, no importante diagnóstico diferencial, visto que várias doenças podem levar à dor lombar, proporcionando um tratamento dirigido à causa específica da dor. O uso de medicamentos é primordial, muitas vezes sendo necessário o recurso de antidepressivos para controle do quadro.
          A reabilitação está indicada para melhora da dor, podendo ser utilizados procedimentos fisioterápicos, já numa fase mais tarde sem a presença de dor podem ser indicados exercícios de correção postural, alongamentos e de reforço de musculatura abdominal. Em certas situações, procedimentos cirúrgicos são necessários para a resolução de um problema mecânico, como grandes desvios, hérnias de disco com comprometimento neurológico.
          O Tratamento Fisioterápico segue a mesmo indicado para o tratamento de hérnia discal, sendo na fase crônica, a utilização de calor profundo e superficial, e correntes elétricas, que tem o intuito serem analgésicas e antiinflamatórias. A Fisioterapia manual, que seria Osteopatia, Reeducação Postural Global, visam o alongamento como conseqüência de suas manobras então são apresentam ótimos resultados sobre a disfunção.

Prognóstico
           O prognóstico costuma ser muito bom. Em 90% dos casos a dor desaparece em até 15 dias, nos outros 10%, os sintomas podem ser mais duradouros, mas a maioria estará bem em até 3 meses. Felizmente, são poucos os casos em que há uma evolução ruim, com cronificação dos sintomas, porém, as crises de lombalgia podem se repetir, sendo importante adotar atitudes saudáveis e entrar num programa regular de exercícios para evitar que isso aconteça.

Formas de prevenção
             Existem várias formas de prevenir o aparecimento da lombalgia:
            -evitar o excesso de peso corporal;
            -manter uma postura correta em pé (cabeça e tronco direitos, peito para fora, caminhando de uma forma que permita a distribuição do peso corporal pelas duas pernas);
            -manter uma postura correta sentado (apoiar bem as costas na cadeira, ter os pés bem assentes no chão, com os joelhos fletidos em ângulos retos. A manutenção de uma boa postura enquanto sentado também depende da existência de mobiliário ergonomicamente adaptado ao corpo;
            -manter uma postura correta deitado, dormindo num colchão firme, duro ou num colchão de água;
            -manter uma postura correta ao levantar um peso (segurá-lo junto ao corpo, dobrar só os joelhos, deixar as pernas levantá-lo fazendo o movimento de levantar ou baixar sempre com o corpo direito);
          -praticar exercício físico regularmente, de uma forma moderada e adaptado às possibilidades físicas do paciente, com o objetivo de melhorar a forma física (força, flexibilidade e capacidade aeróbica). As melhores modalidades são o andar a pé, andar de bicicleta e nadar. Devem preferir-se as atividades aeróbicas e evitar modalidades que imponham uma grande sobrecarga à região lombar.
          A melhor forma de evitar o aparecimento da doença é através da prática de alongamento, de duas a três vezes por semana. Além disso, nos trabalhos em que se passa a maior parte do tempo sentado, é preciso verificar se há recurso de ajuste do encosto e da altura da cadeira. A mesa deve ficar na altura do cotovelo. Sentar bem encostado e alinhado com o eixo da cadeira também é muito importante.
          Além disso, devem-se evitar torções do tronco e do pescoço, como pegar um objeto atrás do corpo ou segurar o telefone com os ombros. E nunca se esquecer de fazer uma pausa a cada hora de trabalho para dar uma espreguiçada, caminhar um pouco, para só depois sentar novamente.
          Quando estiver em casa, evitar realizar tarefas com os mesmos padrões de movimento das atividades do trabalho. Também é fundamental dedicar um tempo, durante a semana, para praticar algum tipo de exercício físico ou participar da ginástica laboral da empresa. Esses conselhos são válidos para todas as pessoas, como forma de evitar e amenizar a lombalgia.

Considerações finais
          A dor (algia) localizada na região lombar (lombalgia) é considerada, nos dias de hoje, como uma das grandes causas de absenteísmo nas indústrias. Acredita-se que ela acometa, em algum momento da vida, até cerca de 90% da população adulta, sendo que na grande maioria das vezes ela incidirá mais de uma vez. Cresce significativamente a procura pelo tratamento fisioterápico nos centros especializados dessas algias provocadas principalmente por más posturas.
          Existem inúmeras formas de correções posturais, RPG, Pilates, Yoga, Osteopatia e etc., o paciente tem que procurar aquela em que consiga adaptar-se melhor, que goste de realizar, que seja prazeroso e não torturante. A escolha de um bom profissional, devidamente habilitado também é imprescindível, todo e qualquer procedimento a ser realizado deverá ser realizado por profissionais na qual se especializaram e tenham pelno conhecimento sobre o assunto, por tanto cuidado para não serem enganados.

4 comentários:

  1. Puxa, parabéns, achei muito interessante seu site falando tudo sobre a lombalgia e o que ajudou muito a minha mãe foi o colchão que recomendo da Kenko Patto http://kenkotop.com.br

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito e tao claro na explicacao me ajudou muito obrigado

    ResponderExcluir
  3. O médico me recomendou fisioterapia para melhorar minha postura, só que o local é longe e eu pretendo ir de bike.
    Isso irá atrapalhar no meu tratamento?
    E parabéns por esse texto, bem explicativo!

    ResponderExcluir
  4. Estou com lombalgia mecânica , e a fisioterapia doi muito .Com esta explicação posso optar por outro exercício.

    ResponderExcluir

Deixe aqui se comentário