Vídeos relacionados

Loading...

sábado, 11 de setembro de 2010

CERVICALGIA


          
          A cervicalgia costuma ser insidiosa, sem causa aparente. Mas raramente se inicia de maneira súbita, em geral está relacionada com movimentos bruscos do pescoço, longa permanência em posição forçada, esforço ou trauma e até mesmo alterações da ATM (articulação têmporo-mandibular). O paciente com cervicalgia geralmente relata uma melhora quando está em repouso e exacerbação da dor com o movimento.
          A cervicalgia é um sintoma que atinge 18% da população geral e se torna mais prevalente com o avanço da idade, ocorrendo em 40-50% da população com idade superior a 45 anos.

ANATOMIA
          A coluna cervical é o segmento mais móvel de toda a coluna vertebral. A região é submetida a um grande número de agressões e pressões, a exemplo do peso da cabeça, esforços ao nível dos membros superiores, posturas de trabalho, esporte, sono e incidência do estresse. A coluna cervical é subdividida em superior, sendo composta de atlas (C1) e axis (C2), e inferior que começa em C3 e termina em C7. A cervical superior tem uma mobilidade mais baixa comparada com a inferior, que possui larga amplitude de movimento. Essas diferenças geram desalinhamentos articulares e sobrecargas musculares, provocando alteração da biomecânica.







SINTOMAS E DIAGNÓSTICOS
          As cervicalgias podem ocorrer associadas às contraturas musculares com pontos de gatilho, hérnias de disco, doença articular degenerativa, inflamatória, infecciosa e metabólica, alterações posturais, compressão nervosa, estenose do canal medular, fraturas e outros. Sendo assim, é necessário que seja feita uma avaliação fisioterápica criteriosa
          A Dor Cervical ocorre como sintoma de afecções não raquidianas. As causas mais freqüentes são: patologia do ombro; patologia ORL ou esofágica (ex. adenopatia cervical, hérnia do hiato); patologia vascular (dissecção da carótida ou da vertebral); lesões do SNC. A história clínica orienta para o diagnóstico da patologia principal. O exame da coluna cervical é geralmente normal e os exames complementares de diagnóstico são efetuados de acordo com a clínica.
         Cervicalgia irradiada por radiculopatia caracteriza-se por irradiação da dor para o membro superior (cervicobraquialgia) ou para a cabeça (nevralgia occipital). Acompanha-se de queixas neurológicas. Resulta da compressão radicular, causada geralmente por hérnias discais em idades mais jovens e por patologia degenerativa em idades mais avançadas
        Mielopatia espondilótica (artrose cervical crônica) e uma complicação grave da artrose cervical que surge geralmente após os 60 anos. A dor habitualmente não é o sintoma principal. O quadro típico é a instalação de uma paraparesia espástica e de alterações sensitivas nos membros superiores com distribuição poli-radicular e bilateral. O sinal de Lhermite (dor tipo choque ao longo da coluna e membros com a flexão cervical) é muito típico.
      Os recursos como raio X, ressonância magnética, tomografia computadorizada, ultra som e exames laboratoriais, juntamente como uma anamnese (investigação através de informações colhidas) são de suma importância para o fechamento do diagnóstico e conseqüentemente o tratamento mais adequado.

CAUSAS
          As patologias possíveis são: Espondilite e espondilodiscite (bacteriana, tuberculosa, brucélica). Doenças infecciosas freqüentes em doentes imunodeprimidos, com infecções concomitantes ou após gestos locais. A cervicalgia é intensa, inflamatória, com rigidez articular e sinais gerais associados (febre, arrepios, etc.). Nas fases iniciais as radiografias podem ser normais, sendo necessário fazer TAC e/ou RM. O diagnóstico confirma-se com biópsia dirigida.
          Doenças inflamatórias: Artrite Reumatóide: 30% dos doentes com AR têm cervicalgia que se caracteriza por ritmo inflamatório e rigidez matinal. Pode dever-se a subluxação ou luxação atlanto-odontoideia (1ª e 2ª vértebra cervical) anterior (ou vertical). Raramente podem surgir complicações neurológicas. A radiografia cervical de perfil em flexão permite o diagnóstico.
         Cervicalgia de ritmo inflamatório com rigidez acentuada, em doentes com história familiar de espondilartropatias, uveítes, diarréias, psoríase e atinge globalmente articulações sacro ilíacas.
         A Uncoartose que é a diminuição do forame intramedular com compressão medular, causando formigamentos irradiados para membros superiores, cefaléias, cervicalgias, e comprometimentos da musculatura da região dorsal das costas.
         Neoplasias Tumores benignos são raros e a sintomatologia pode surgir por compressão local: geralmente agrava com o decúbito e alivia com a marcha. Sinais neurológicos sublesionais podem ocorrer. Tumores malignos: Freqüentemente são metástases de neoplasias (mama, próstata, pulmão, tiróide, rim, linfoma) e mieloma múltiplo. Os sintomas habituais são cervicalgias de início progressivo, intensas, sem ritmo definido e rebelde ao tratamento, associadas a alterações do estado geral. A caracterização histológica é fundamental para o tratamento.
          Traumatismos e Lesões com ou sem fratura apresentam cervicalgia, após acidentes de trânsito, quedas, mesmo na ausência de fatura podem surgir às lesões “em chicote”: dor cervical intensa, contratura, perda de mobilidade, cefaléia occipital (dor na nuca) e vertigens, fadiga e déficit neurológico.
         Doenças metabólicas são: Osteoporose, osteomalácia, hiperparatireoidismo. Cervicalgia aguda causada por microfratura ou achatamento vertebral.  Lesões do SNC. Tumores intramedulares, siringomielia, lesões vasculares. Cursam com clínica causada por compressão intra-raquidiana ou características da doença neurológica.
          As causas psicogênicas como depressão, ansiedade, cervicalgia geralmente difusa, mal definida. Ausência de alterações no exame objetivo. Quadro de sintomas psiquiátricos associado também pode causar cervicalgia





CERVICALGIA COMUM
          As cervicalgias mais freqüentes são as cervicalgias comuns que se diagnosticam após exclusão dos quadros anteriores e se caracterizam por dor cervical associada a perturbações estáticas e posturais, miofasciais ou osteoarticulares degenerativas. Evoluem de modo intermitente e pode dever-se a envolvimento dos segmentos superiores, com irradiação ocasional para a região suboccipital (nevralgia de Arnaud), médios ou inferiores (com irradiação freqüente para a região dorsal alta). Os episódios dolorosos agudos manifestam-se freqüentemente por quadros de torcicolo, com contratura muscular e posição antálgica em flexão lateral e rotação. Nos restantes períodos a clínica é pobre. A radiografia simples pode mostrar alterações da estática ou sinais de osteoartrose. No entanto, a cervico-artrose só deve ser considerada responsável pela cervicalgia após exclusão de outras causas, pois não existe paralelismo entre os sinais radiológicos e a sintomatologia.
         As perturbações das curvaturas cervicais fisiológicas e as posturas incorretas prolongadas são causa importante de cervicalgia, pelo que devem ser procuradas e corrigidas.
Outras causas freqüentes de cervicalgia são as síndromes miofasciais que se caracterizam por dor e contratura muscular exacerbadas por pressão nos “pontos-gatilho”. As mais freqüentes são: síndrome dos músculos cervicais posteriores, do elevador da omoplata e do trapézio.


CARACTERÍSTICAS DO PACIENTE COM CERVICALGIA
        O paciente apresenta freqüentemente uma cabeça anteriorizada em relação à coluna dorsal, uma extensão da cabeça em relação ao pescoço ou inclinações laterais da cabeça ou do pescoço, que podem ser de alteração leve, moderada ou grave. Depende do nível dos encurtamentos, podendo ser também de origem súbita com dor mais intensa após dormir em posturas inadequadas ou execução de um movimento brusco. Pode ocorrer em função da amplitude normal de movimento durante uma atividade funcional.


PREVENÇÃO
         As posturas sentadas ou deitadas com flexão de cabeça mantidas por longos períodos, muito comum durante a leitura, na televisão e no computador devido a baixa altura dos monitores. A postura de inclinação lateral da cabeça e elevação do ombro ao atender ao telefone, quando coloca o apoio do fone entre a cabeça e o ombro. A utilização do membro superior em elevação durante muito tempo também deve ser evitado, comum entre bibliotecários, cabeleireiros, garçons e outros. A cada 50 minutos deve ser feito um alongamento muscular e neural nessas regiões da cervical e membros superiores.
         A posição para dormir também pode ser determinante. Até onde o tipo de travesseiro ou de colchão responde pelas dores na região do pescoço e na nuca? Como boas partes da vida estamos sobre o colchão e o travesseiro, os mesmos são determinantes para manutenção de um bom alinhamento da coluna vertebral, o colchão deve ser semi-ortopédico e com densidade apropriada a cada indivíduo. O travesseiro não pode ser alto, deixando a cabeça fora do alinhamento. Pode-se dormir em decúbito lateral com um travesseiro entre os joelhos, outro apoiando a cabeça no espaço vazio entre a cabeça e o ombro e outro dando suporte ao membro superior contralateral ao colchão. Também em decúbito dorsal, com um travesseiro no espaço da cervical na altura onde a cabeça possa ficar em linha neutra; outro abaixo dos joelhos (que devem estar semi-fletidos). Deve-se evitar dormir em decúbito ventral (bruços), pois essa postura pode provocar uma rotação cervical mantida por longo período, gerando um desalinhamento entre as colunas cervical, dorsal e lombar.
         A ginástica laboral é vital para a prevenção das dores no pescoço. Os alongamentos previnem as lesões musculares e neurais, devido seus encurtamentos provocarem um tensionamento nas estruturas periarticulares, sendo responsáveis por várias patologias, a exemplo das tendinopatias, que normalmente iniciam com dores inflamatórias e evoluem para processos degenerativos dos tecidos moles como ligamentos, tendões, bursas, cápsula articular e fibras musculares. Como área de sustentação entre a cabeça e a coluna, a nuca é uma das regiões que concentra todos os excessos a que submetemos nosso organismo.



    Clínico
         Em quadros agudos, em que não há evidência de trauma, e se afasta comprometimento neurológico, o conjunto de evidências sugere que o manejo pode ser feito com antiinflamatório não hormonal ou analgésico.
Havendo contratura muscular pode-se lançar mão de relaxantes musculares, mas a evidência para o seu uso é fraca; ensaios randomizados mostram que tizanidina, baclofen e diazepan (relaxantes de ação central); ciclobenzaprina, carisoprodol, clorzoxazona e orfenadina (relaxantes de ação periférica).
      Colar cervical (faixa de segurança que restringe o movimento do pescoço) é indicado nas cervicalgias agudas provocadas por traumas de grande intensidade. O colar cervical deixa a coluna cervical em posição neutra, diminuindo a mobilidade, a tensão muscular e a sobrecarga articular, evitando a exacerbação dos sintomas.

    Fisioterápico
        Uma avaliação fisioterápica detalhada de modo a observar as alterações que podem ser responsáveis por essa queixa, investigando se a dor é decorrente de um trauma muscular, articular ou de problemas posturais. Sendo assim, o tratamento será indicado conforme o diagnóstico cinesiológico funcional.
A fisioterapia convencional visa tratar a dor e o processo inflamatório através da eletroterapia, termoterapia e a utilização do laserterapia
       A Fisioterapia é indicada tanto no caso das cervicalgias agudas como nas crônicas, pois existem métodos adequados para cada estágio, como a Facilitação Neuromuscular proprioceptiva e a Reeducação Postural Global, utilizando contrações isométricas ou isotônicas associadas a técnicas específicas com alongamentos ou relaxamento em posturas apropriadas.
        As alterações posturais têm grande responsabilidade pela maioria dessas dores que podem iniciar lenta e progressivamente devido aos encurtamentos musculares, que vão se formando na região anterior e posterior da cervical bem como na superior do ombro.



Fonte: 
Diário on line
www.Colunalegal.com.br
HTTP://residencia.mfc.pe.googlepages.com/d8_Cervicalgia_Tratamento.pdf

18 comentários:

  1. A artrose é caracterizada radiograficamente por:diminuição do espaço articular, esclerose subcondral, osteófitos e subluxação articular, podendo acometer toda a extensão da coluna vertebral e neste caso da região dorsal...

    A Redução difusa de densidade óssea tem como diagnóstico clinico de Osteoporose, onde a reposição de cálcio no tecido ósseo está comprometido...

    Espero ter esclarecido suas dúvidas!!!!
    Continue postando!!!
    Obrigado pelo acesso!!!
    Luciano

    ResponderExcluir
  2. Tenho uma dúvida em relação ao posicionamento correto da vertebras vista lateral referente aos processo transverso em um Rx que avaliei tenho a impressão que ele invade o canal vertebral da C3 isso é correto em afirmar ou pode ser uma imagem sobre posta da radiografia, e tambem apresenta pequenos pontos nas bordas das vertebras C6 e C7 sendo sugestivo de oste[ofitos marginais mais a paciente tem 24 anos isso pode acontecer pela pouca idade?Realizei algumas pompagens na região cervical e massoterapia,e sugeri RPG.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Teria que realizar uma leitura da radiografia.

    Acredite no que você observa na radiografia, realize a fisioterapia convencional para diminuir o processo inflamatório local e a dor, uma terapia postural nesse caso seria interessante e irá apresentar bons resultados!!!

    ResponderExcluir
  4. Quer dizer que possa esta prejudicando a mim mesma, pois durmo de bruços, isso ja algum tempo, e hoje estou com um processo inflamatorio na cervical... ? ou teria que ser feito uma analise do meu quadro clinico mais detalhada, para realmente diagnosicar a causa?

    ResponderExcluir
  5. Boa Noite!

    Me chamo Carlos Eduardo, fiz um Ressonância e deu os seguintes resultados:

    Cervical:
    coluna cervical:

    redução de sinal dos discos intervertebrais de C2-C3 à c6-c7.

    uncoatrose direita em C4 - C5 que reduz os diametros do forame intervetebral correspondente.

    corpos vertebrais integros, alinhados e com sinal preservado.



    Conclusão :

    Espondilodiscoartropatia degenerativa



    Coluna lonbo sacra e sacro

    Conclusão:

    variante normal



    cOLUNA TORACICA:

    Protusão discal posterio de T3-T4 com hipersinal por rotura do angulo fibroso que ventralmente o saco dura e a medula

    Cisto neural direito intra-foraminal em T9-T10



    Conclusão

    Discopatia de T3-T4

    Por volta de 8 meses atrás jogando futebol, choque com o outro jogador,cai batendo o pescoço, e apos o fato comecei a sentir varias dores e fiz varios tratamentos, fiz osteopatia, acupultura, fisio, pilates e rpg, há tambem fiz algumas seçoes de busque, mais minhas dores, não passaram, um med´cio me deu atestado com o cid 54.2 cervicalgia o outro me falou que não teho nada que estou enventando, e me mandou procurar DEUS, estou com meu organismo todo desregulado, não durmo direito a um bom tempo, e as dores inrradiam para as mãos, principalmente para a mão esquerda, e formigamentos, quando felei para o médico que minha perna tambem doi ele riu e falou que não era para acontecer isso, e falei para ele que doi e sinto dormencia também. sinto tambem muitas dores nos ombros e na cabeça, dores fortes e constantes. Em um episodio perdi a força do braço dirigindo e vim chocar o meu veiculo em outro, e doi muito no periodo da tarde e a noite. gostaria de saber tambem se nauseas e zumbidos são consequencias desses meus resultados medicos.
    Fui encaminhado para o médico reumatologico para uma analise da minha situação, no qual me soicitou varios exames de sangue e eletroneuromiografia dos membros.
    O ortopedista me indicou um tratamento de realiamento muscular e me receitou um antidepresivo. Por favor me ajude esclarecer o due tenho, pois minhas dores estão almentando, e espalhando para varias partes do meu corpo.

    ResponderExcluir
  6. olá. Dr. Luciano
    gostaria de saber se cerficalgia e hernia de disco na cervical são a mesma patologia??

    ResponderExcluir
  7. Oi Dr.
    Tenho um filhinho de 9 anos que foi diagnosticado com uma subluxacao na C1 e C2. Ele tem dores horriveis e faz uso do iboprofeno 400mg quase todas as noites para poder dormir. Fui a um fisioterapeuta na tentativa de ter alguma ajuda para amenizar as dores, mais as dores voltam horas depois das massagens. Teria um outro tratamento fisioterapico paralelo as massagens desse fisioterapeuta que eu pudesse procurar para o meu filho? Muito obrigada.

    ResponderExcluir
  8. Ola dourtor, fiz uma tomografia da col. cervical, e a conclusão foi: espondiloartropatia degenerativa mais descretas estnoses foraminais de c4 a c6 a direita, faço musculação, gostaria de saber que tipo de exercício deve evitar e qual a melhor atividade física para mim. grata Lourdes

    ResponderExcluir
  9. Tenho escleso nas articulacoes sacro ilgca. Preciso saber se e grave?se tem cura e qual o tratamento

    ResponderExcluir
  10. Apoio para os pés, para garantir sua saúde mesmo em casa ou escritório e check out.
    Este site www.apoioparapes.com.br tem ótimos modelos de apoios ergonômicos para os pés Alta qualidade. Eu recomendo.

    ResponderExcluir
  11. Eu acabei de realizar um raio x sobre isso... e eu acho que está em relação as minhas mamas. Desde meus 10 anos tenho mamas grandes e minha estatura é baixa.será que isso está relacionado com a cervicalogia ?

    ResponderExcluir
  12. Eu acabei de realizar um raio x sobre isso... e eu acho que está em relação as minhas mamas. Desde meus 10 anos tenho mamas grandes e minha estatura é baixa.será que isso está relacionado com a cervicalogia ?

    ResponderExcluir
  13. Oi fui no medico e fiz um raio x mas ele disse que nao apareceu nada na minha coluna mas sinto muita dor

    ResponderExcluir
  14. Oi fui no medico e fiz um raio x mas ele disse que nao apareceu nada na minha coluna mas sinto muita dor

    ResponderExcluir
  15. tenho 20 anos , sinto dores na regiao cervical e fiz um exame radiologico que consta que eu tenho uncoartrose , é algo muito preocupante ? eu poderia estar utilizando o colar cervical de espuma ?

    ResponderExcluir

Deixe aqui se comentário